A maioria dos crimes eram praticados nas ruas, mas, na atualidade, é cada vez maior o número de quadrilhas organizadas que invadem prédios, empresas, shopping centers e empreendimentos de grande porte; burlando frágeis esquemas de segurança. No início de abril, um crime chocou o país. O engenheiro Juliano Juliani Simões, estava no saguão do Transamérica Flat, na Alameda Lorena, realizando check in, quando um bandido surgiu de arma em punho, e tentou roubar sua bagagem; ele reagiu, sendo baleado na região do abdômen. O engenheiro foi socorrido no Hospital das Clínicas, mas não resistiu aos ferimentos. Em fevereiro, um grupo fortemente armado invadiu, durante a madrugada, o depósito do hipermercado Carrefour, no shopping Anália Franco, zona leste de São Paulo. Cerca de 15 funcionários do Carrefour foram feitos reféns. Segundo a polícia, a quadrilha formada por 15 homens, entrou pela porta dos fundos e encheu dois caminhões com mercadorias. Somente na última semana de março, três condomínios de luxo localizados nos bairros de Moema, Itaim Bibi e Jardim Paulistano, sofreram o famigerado arrastão, e nenhum bandido foi preso. Milhares de famílias deixaram amplas casas e migraram para apartamentos em busca de segurança. Empresários e comerciantes, cada vez mais optam por abrir negócios em escritórios verticais e shopping centers, em busca de tranqüilidade para exercer suas atividades. A marginalidade organizada identificou essas mudanças e também alterou seu modo de atuação. Perceberam que a maioria dos prédios residenciais e comerciais, supermercados e shopping centers, não consegue gerenciar esquemas de segurança capazes de inibir a ação das quadrilhas especializadas. Qual a solução para os que moram em um condomínio ou montaram seus negócios dentro de grandes empreendimentos comerciais? A solução definitiva é o que chamo de Sistema Integrado de Segurança, SIS, que é composto de 10 itens: 1)Análise de risco globalizada 2)Instalação de equipamentos de forma racional, observando-se o posicionamento ideal 3)Manual de procedimentos com foco em prevenção 4)Capacitação contínua dos profissionais de segurança (porteiros, vigilantes e supervisores) 5)Monitoramento interno e externo de sinal de pânico 5)Monitoramento interno e externo de imagens 6)Treinamento de conscientização em segurança para usuários do sistema 7)Auditoria constante 8)Plano de Contingências 9)Interação com a comunidade 10)Integração dos sistemas de segurança.